Imprimir

Implantação de Igrejas Saudáveis - A Melhor Estratégia

A melhor estratégia: A implantação de Igrejas Saudáveis

ao alcance de todos os brasileiros

Como iniciar um plano de ação mensurável, plausível e adaptável à realidade histórica e contextos culturais e sociais que nos ajude a medir o Cumprimento da Grande Comissão nas diversas cidades e regiões brasileiras?

Cremos que a melhor estratégia para o discipulado da Nação Brasileira é a presença de igrejas saudáveis em todas as cidades, bairros, vilas e tribos. A partir da experiência desenvolvida em Londrina, eu gostaria então de propor princípios para uma estratégia urbana aplicável a sua cidade. Este processo pode também ser utilizada como um plano de ação para a sua igreja local ou denominação.

1. Compartilhando com igrejas e pastores a visão de evangelização e transformação da cidade através da presença de Igrejas saudáveis ao alcance de todas as pessoas

Jesus asseverou que ele estaria presente onde dois ou três estivessem reunidos em seu nome (Mt 18:20). Ali também está a glória de Deus. Este é o alvo do evangelismo – uma igreja em cada grupo de pessoas. Evangelizamos com a intenção de organizar igrejas. Jesus mesmo declarou isso em Mt 16:18. Jesus Cristo nos deixou a ordem de edificar Sua Igreja. O Senhor não esperava que os seus discípulos simplesmente pregassem o evangelho e se conformassem em ganhar alguns seguidores em diferentes cidades. Sua meta era edificar a Igreja. A ordem de fazer discípulos se cumpre especialmente com o estabelecimento de igrejas. Portanto, em cada cidade os apóstolos e evangelistas deveriam edificar uma igreja. Homens e mulheres deveriam ser alcançados com o evangelho, batizados e incorporados a uma comunidade cristã local para serem edificados, animados, treinados, amadurecidos e assim reproduziriam a vida de Jesus na vida de outros.

Será possível estabelecer uma comunidade de discípulos de Cristo, sem estabelecer a igreja nesse lugar? A resposta é não. Quando um grupo de discípulos se reúne para adorar e celebrar, pregar e ensinar, partir o pão e orar, a igreja está reunida, mesmo sem a construção de um templo.

A visão pode ser resumida no seguinte: desejamos ver igrejas saudáveis plantadas ao alcance de cada 500 a 1000 pessoas, de tal maneira que nenhuma pessoa, em nenhum lugar do Brasil, fique sem a oportunidade de ouvir do evangelho de Jesus. O propósito do Brasil 2010 é que, através da plantação de novas igrejas, Jesus seja verdadeiramente encarnado e o amor do Reino, a justiça e a paz social sejam manifestados paulatinamente na cidade.

Esta visão pode ser compartilhada com as igrejas, pastores e líderes da cidade sem parcialidade ou exclusividade, sem detrimento de qualquer grupo evangélico. Portanto, a primeira estratégia efetiva e concreta é a mobilização de todo o corpo de Cristo na cidade, no esforço determinado de completar a Grande Comissão, trabalhando para o alvo de implantar uma igreja evangélica saudável em cada bairro, vila, tribo, classe social e grupo étnico da nação brasileira.


2. Gerando um movimento de oração estratégica intencionalmente focado no reino

Um dos pontos cruciais para o desenvolvimento do Projeto Brasil 2010 é a área de oração. Muito pouco irá acontecer se não estivermos conscientes da necessidade de oração estratégica direcionada à transformação do Brasil. O Projeto Brasil 2010 tem se ocupado sempre em levantar intercessores, orientando-os a prepararem-se para as batalhas contra o inimigo, usando corretamente as armas espirituais que a igreja dispõe. (Ef. 6:10-18). Quando a Igreja compreende que está diante de uma grande luta no mundo espiritual, ela recorre às armas poderosas de Deus, que são sobre-humanas e espirituais, para destruir as fortalezas e potestades de Satanás: “as armas com as quais lutamos não são humanas, ao contrário, são poderosas em Deus para destruir fortalezas”.(II Cor.10:4).

O Brasil 2010, portanto, deseja promover, treinar e capacitar os membros das igrejas na área de oração estratégica focalizada nesta visão da implantação de igrejas saudáveis como a melhor estratégia para o discipulado e expansão do Reino de Deus no Brasil.

Para que isso ocorra, primeiramente é necessária a escolha de um coordenador local de oração, junto ao Conselho de Pastores e/ou às igrejas envolvidas no projeto. Este coordenador procurará conectar / ligar os diversos ministérios e grupos de orações das igrejas na visão do Brasil 2010, numa verdadeira rede / network local de intercessão. Após isso, os intercessores poderão definir períodos diários de oração, vigílias, relógios de oração, etc. Alguns de seus objetivos, a nível local, serão os seguintes:

· Mobilizar a Igreja evangélica em cooperação para um plano estratégico de oração por toda a cidade;

· Orar pelos pastores e líderes da cidade;

· Orar pelos grupos e bairros ainda não alcançados ou pouco alcançados da cidade;

· Orar por todos os segmentos da sociedade;

· Orar pela transformação da cidade nas esferas espirituais, familiares, sociais e culturais, incluindo-se justiça pública, paz social, ética nacional e prosperidade econômica.


3. Iniciando um processo de pesquisa da cidade

O Brasil 2010 tem a pesquisa como um dos elementos chaves para o cumprimento dos seus objetivos. Se desejarmos ver o Brasil influenciado pelo evangelho, com igrejas localizadas estrategicamente ao alcance de todo brasileiro, necessitamos tomar conhecimento de quem somos, onde estamos, qual o nosso potencial, até onde temos avançado, para onde estamos indo, e assim por diante. Enquando não tivermos a informação qualitativa e quantitativa, o risco de tomarmos uma decisão errada é muito maior. Eu creio que Rolando Gutiérrez-Cortés descreve muito bem esta necessidade de pesquisa quando afirma o seguinte:

A mobilização da Igreja para a missão na cidade demanda ouvir, conhecer e atender a comunidade, assim como desenvolver, preparar e apoiar toda a igreja local para que trabalhe harmonicamente com seus pastores e líderes. Há de aproveitar toda informação e estimular a comunicação oportuna. Há que recordar que, sem conhecimento da realidade a que se quer servir, não há trabalho suficiente. Além disso, se não estiver atenta ao engajamento da igreja com sua missão integral, o trabalho resultante será ineficaz (Cortés, 1989:113)

Para que informações e estatísticas? Por que pesquisar a igreja e a cidade? Ainda existem grandes resistências para a pesquisa religiosa ou simplesmente desconhecimento de sua aplicabilidade e possibilidades no mundo espiritual. Na maioria das vezes, penso eu, a igreja simplesmente está desinformada sobre o que está acontecendo ao seu redor.

Temos que lembrar que a pesquisa é um assunto da vida diária, uma atividade cotidiana da humanidade. Eu e você a praticamos todos os dias ao comprar um produto no supermercado, ao visitar um shopping-center, ao nos conectarmos a Internet. Somos curiosos, queremos conhecer e explorar o mundo, desejamos investigar e buscar soluções, suas razões, motivos e implicações. Bob Waymire, trabalhando nesta integração da pesquisa como ferramenta, como instrumento científico ao serviço da missão da Igreja, diz o seguinte:

Necessitamos ser iluminados! Para ser bons mordomos da graça de Deus, devemos ter os fatos - para ver o quadro verdadeiro. As verdades de ontem são freqüentemente ficções de hoje. Nós necessitamos da informação correta e modernizada sobre nós mesmos os ceifeiros de nosso contexto (O campo de colheita)”. Se nós não ajuntarmos, conservarmos, analisarmos e comunicarmos as informações apropriadas sobre o Campo de Colheita aos ceifeiros de uma maneira contínua, perderemos de vista nossos alvos a longo prazo, usaremos nossa energia e recursos em muitas boas obras, deixaremos muitos campos de colheita sem tocar, e de outros voltaremos com as mãos vazias. Milhões permanecerão na escravidão, e eles nunca experimentarão o amor poderoso e transformador de Cristo, nem o cuidado nem o poder de nosso Senhor e Salvador. O Reino das trevas terá decididamente vantagem e talvez prevalecerá (ao menos temporariamente). Entretanto, quando Corpo de Cristo tiver os fatos (a luz) que necessita, então será possível alcançar o potencial para fazer discípulos de todas as nações, ver sociedades inteiras livres da escravidão, e ver o Jesus encarnado em todo segmento da sociedade demonstrando seu cuidado amoroso e sua redenção. O Reino da luz reinara em vitória! (Wingerd Jr, R. 1992: vii).

Neste momento do processo do Brasil 2010, é fundamental que você esteja em contato com irmãos e irmãs, sociólogos, geógrafos, assistentes sociais, historiadores, matemáticos, psicólogos, urbanistas, enfim, cristãos que já estejam atuando na área de pesquisas sociais e que, evidentemente, conhecem melhor a cidade do que os pastores e líderes evangélicos. Estes verdadeiros “Neemias” contemporâneos serão os olhos e ouvidos (e por vezes o coração) do projeto. Eles ajudarão imensamente no embasamento científico e qualidade acadêmica e excelência metodológica do projeto na cidade.

Gostaria de sugerir alguns passos básicos para a pesquisa do contexto sócio-cultural e histórico de sua cidade que, sem dúvida alguma, abençoarão o seu ministério local e servirão de instrumentos para a expansão do Reino de Deus:

3.1 Coletar dados disponíveis e previamente compilados que apontem para as diferentes realidades religiosas, históricas, sociais, e culturais da cidade / bairro. Como poderemos evangelizar uma região se não conhecermos suas carências urbanas e necessidades específicas? Para isso você pode visitar órgãos e departamentos públicos (ex. IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), centros acadêmicos específicos de estudos sociológicos (ex. Universidades), comissões de planejamento municipais, jornais e outras organizações não governamentais, formando as bases para um banco de dados sobre a cidade. Sem muito trabalho, você pode colecionar gráficos e textos que descrevam as pirâmides populacionais, moradias, densidade demográfica, nível de emprego e desemprego, pobreza, violência, preferências religiosas, e várias outras categorias. Esta atividade requer apenas a compilação de dados.

3.2 Adquirir um mapa estratégico de missões urbanas. Você pode comprar um mapa da cidade, impresso ou eletrônico, o maior que conseguir, para inserir as informações mais significativas da cidade, do bairro e da igreja. É importante que este mapa contenha as divisões sócio-econômicas, geopolíticas e urbanas da cidade ou região. Os limites dos bairros ou regiões podem ser verificados e checados de preferência com o IBGE e outros órgãos públicos responsáveis pelo planejamento urbano. Falaremos mais sobre esse mapa quando explicarmos como o pastor poderá fazer o mapeamento da sua cidade ou bairro.

3.3 Responder algumas perguntas básicas para cada bairro ou região da cidade. Num verdadeiro papel de Sherlock Homes, você pode investigar a realidade da cidade, visitando os centros religiosos, associações de moradores, projetos sociais, hospitais e outros locais importantes. Converse com pastores de outras igrejas, apresentando o seu projeto e adquira as listas das igrejas existentes com as diversas denominações. Algumas perguntas básicas sobre a cidade / bairro podem ser respondidas: Quantas crianças estão presentes? Quantas famílias mono-parentais? Quantos idosos e aposentados? Onde estão os pobres? Onde estão os ricos? Quais e onde estão os diferentes grupos étnicos? Qual o nível educacional e profissional dos homens e mulheres? Qual será a população da cidade / bairro em 5 anos? Qual será sua população em 10 anos? Quais desenvolvimentos urbanos estarão acontecendo?

3.4 Aplicar pesquisa quantitativa de igrejas. Esta pesquisa visa localizar as igrejas e templos evangélicos da cidade, se possível a cada dois ou três anos. Este mapeamento cartográfico poderá ser feito logo no início do projeto e visa conhecer quem são e onde estão localizadas as igrejas em cada bairro ou região da cidade. Em geral, a presença evangélica não é uniforme e alguns bairros parecem saturadas enquanto outros apresentam imensos “hiatos” ainda não alcançados pelas igrejas evangélicas. Os passos práticos desta pesquisa geográfica poderão ser conseguidos na página online do Brasil 2010, www.brasil21.org.br .

3.5 Aplicar a pesquisa quantitativa entre os pastores. Esta pesquisa pode ajudar os pastores a conhecer melhor como estão as suas igrejas no que se refere a visão ministerial, visão missionária, projetos sociais, perfil da liderança, em suma, questões que, combinadas, comparadas e interpretadas corretamente poderão trazer luz à saúde da igreja. Vários capítulos deste livro abordam os resultados obtidos nesta pesquisa realizada em Londrina no ano de 2002 em mais de 200 igrejas evangélicas. Uma cópia do questionário estará também anexo, à sua disposição no final do livro. Esta pesquisa poderá ser também aplicada e avaliada pela equipe de pesquisas do Brasil 2010 em Londrina, caso você deseje aplicar algo semelhante junto aos pastores de sua região.

4. Realizando fóruns de diálogo e conferências regionais.

Antes de tudo, precisamos compreender o Brasil 2010 como um processo. Os três valores fundamentais que caminham juntos durante todo o projeto são visão, oração e pesquisa. Eles servem como pilares / alicerces e visam o despertamento para um trabalho consistente e consciente de avanço do Reino de Deus na cidade. A visão enfoca a presença de igrejas saudáveis e a implantação de novas igrejas, como principal estratégia para o cumprimento da Grande Comissão. A oração encoraja um movimento direcionado e intencional de implantação de igrejas saudáveis, com vistas à vinda do Reino de Deus sobre toda a cidade em todas as suas dimensões. A pesquisa demonstra a necessidade de conhecer quem são, onde estão, e como estão as igrejas evangélicas na cidade e como o Brasil está sendo discipulado por Cristo.

Entretanto, é necessário apontar que o discipulado de uma nação ou cidade não sucede da noite para o dia. É um processo que requer tempo, paciência, coragem e perseverança. O Brasil 2010 não está vinculado exclusivamente a eventos ou tão somente a pesquisas. O alvo sempre será a implementação um novo estilo de vida para a Igreja, onde o enfoque seja a evangelização integral. A partir das pesquisas coletadas, algumas perguntas básicas poderão ser respondidas durante os Fóruns e conferências:

· Quantas são e onde estão as igrejas evangélicas na cidade?

· Quais os bairros mais / menos alcançados com a presença evangélica? Para isso é importante fazermos a relação entre o número de igrejas e o número de habitantes do bairro, de acordo com o censo do IBGE.

· Quais segmentos da população mostram receptividade e estão se voltando para Cristo nas igrejas já existentes, em cada região da cidade?

· Quais os segmentos da população e regiões da cidade que estão mais vulneráveis aos cultos não-evangélicos?

· Quais os grupos urbanos que necessitam serem alcançados com mais urgência?

· Quais são as principais áreas da cidade que necessitam da implantação de novas igrejas?

Fóruns, conferências e congressos regionais poderão acontecer como forma de divulgação das informações adquiridas, para a apresentação dos resultados das pesquisas realizadas e também para a divulgação do número de igrejas necessárias em cada bairro ou região da cidade. Além disso, estes encontros são momentos de celebração das vitórias e crescimento da igreja, bem como intercessão pelas áreas de mais necessidades sociais e espirituais. Enfim, eles destacam-se como oportunidade, anual ou bienal, para se dialogar a respeito da influência e papel da igreja na cidade.

5. Proclamando a mensagem profética do Brasil 2010.

Nesta altura do processo, algo que pode acontecer, se possível ainda durante o Fórum ou Conferência, é a declaração pública daquilo que chamamos de Mensagem Profética. Mensagem profética é apenas um nome elegante para descrever a visão de Deus, o sonho da igreja para a cidade. As perguntas que queremos responder são as seguintes: O que Deus está nos falando? Como podemos cumprir a vontade do Senhor para nossa cidade? Qual é a visão de evangelização e transformação dada pelo Espírito Santo para Londrina?

Em profunda sensibilidade à voz do Senhor, queremos ajudar a igreja a caminhar em direção aos lugares e dimensões onde ainda não esteja presente. As Escrituras afirmam que “sem visão o povo perece”. Portanto, centrada na Palavra, coberta por intercessão estratégica, com uma missiologia contextualizada, sem desprezo pelas informações recolhidas na pesquisa, é necessário que a igreja e seus líderes busquem discernimento no Espírito Santo e conheçam a sua vontade para a cidade, proclamando uma clara e visionária mensagem profética.

6. Planejando estrategicamente a evangelização da cidade de acordo com a visão dada por Deus

Sabe-se que os homens e mulheres desenvolvem grandes projetos e sonhos, mas tem muita dificuldade na implementação desses projetos e realização dos sonhos. Igrejas e pastores podem gerar um plano de ação com vistas a praticar esta mensagem profética de forma mais direcionada e específica, a fim de que não seja apenas mais um documento de final de conferência. Tanto a nível local quanto denominacional, pastores e líderes poderão refletir especificamente sobre seus alvos para os próximos anos:

1. Qual será o número de igrejas implantadas até o ano 2010?

2. Qual será o número de igrejas implantadas até o ano 2007?

3. Qual será o número de igrejas implantadas até o ano 2004?

4. Quais são os modelos bíblicos de implantação e evangelização que a sua igreja ou denominação se sente mais confortável em utilizar?

5. O que você pode fazer para incentivar sua igreja a plantar igrejas filhas?

6. Quais serão os bairros onde você dará prioridade para implantar igrejas na cidade e região?

7. Quais serão os projetos e ministérios desenvolvidos nestes bairros?

8. Quais serão e onde estarão os projetos sociais que você dará prioridade para desenvolver na cidade?

9. Com quais igrejas ou denominações você gostaria de iniciar diálogo ou começar uma parceria de implantação de igrejas e/ou projetos sociais?

10. Quais passos a liderança de sua igreja ou denominação devem tomar para aumentar a prioridade na implantação de igrejas saudáveis?

11. O que este grupo aqui representado poderá fazer para trazer maior consenso diante destes objetivos?

12. Como você pessoalmente poderá aumentar o compromisso e paixão para alcançar os não-cristãos na sua região?

13. Como você será pró-ativo na implementação de estratégias de oração que capacitem movimentos de implantação de igrejas em sua denominação?

14. Quanto você estará disposto a investir nesta visão? Qual porcentagem do orçamento esta quantia representa?

Notemos que estas perguntas visam gerar maior compromisso do grupo presente com a visão de evangelização e implantação de igrejas saudáveis de maneira estratégica, mensurável e prática, inclusive com a possibilidade de envolvimento pessoal com todo o projeto. Uma maneira de isso acontecer, durante e depois dos Fóruns, seria a utilização de dinâmicas de grupos pequenos para debate e diálogo das diversas questões acima em uma ou mais encontros.

7. Escolhendo a comissão de gestão do projeto

A tarefa da implantação de igrejas saudáveis não pode ficar restrita a uma denominação ou igreja em particular. Este é um dos elementos fundamentais de todo o processo do Brasil 2010: O esforço de todo o Corpo de Cristo. Isso demandará um trabalho feito em unidade, sem que cada igreja perca sua identidade eclesiástica, teológica e denominacional. Um dos conceitos mais errôneos da igreja evangélica na atualidade é sua tendência ao isolamento e ausência de cooperação com outros grupos evangélicos. Muitas vezes, isso é motivado pelo medo da perda de membros e manutenção de sua pureza e identidade. Lembremos que não há um único modelo de evangelização ou uma receita mágica para a implantação de igrejas saudáveis. O Brasil 2010 entende que cada denominação, cada igreja e cada comunidade independente têm seus objetivos, métodos e estilos próprios que devem ser respeitados.

Com esse plano de ação em mãos, é momento de escolher um grupo de pastores e líderes respeitados, representantes de várias igrejas, homens e mulheres verdadeiramente apaixonados pela Grande Comissão, que levem a visão de evangelização e transformação da cidade à frente. Esta comissão poderá supervisionar os próximos passos da implementação do processo, oferecer cursos e seminários em missões urbanas e implantação de igrejas e trabalhar na organização das próximas pesquisas e Fóruns de diálogo.

8. Avaliando periodicamente a visão através de pesquisas e fóruns

O Brasil 2010 reconhece ser importante a realização de avaliações periódicas de todo o projeto, inclusive o mapeamento geográfico das igrejas, além de um fórum de diálogo anual ou bienal. Os problemas e feridas sociais não serão resolvidos da noite para o dia, num piscar de olhos. É importante que a igreja busque engajar-se na vida, temores e conflitos da sociedade de tal maneira que sua presença no bairro contribua eficazmente para aliviar a dor e leve ao quebrantamento e redenção das condições sociais que mantém as pessoas aprisionadas ao sofrimento. A igreja precisará monitorar constantemente os problemas e necessidades sociais e espirituais bem como avaliar o nível de influência e transformação que a sua igreja está exercendo sobre a cidade e região.

As complexidades sociais, políticas, econômicas, raciais, geográficas presentes em uma nação sempre irão exigir um trabalho abrangente da Igreja e a busca constante de cooperação e parceria. A maioria das denominações e igrejas locais atinge determinado grupo ou classe social. Algumas estão mais presentes em determinadas regiões, outras em outros lugares. Há no Brasil diversos modelos de igrejas e métodos de implantação novas igrejas para todo estilo de pessoa. Entretanto, nenhuma igreja será capaz de alcançar todos os brasileiros e, nesse sentido, o projeto Brasil 2010 reconhece o enorme potencial das denominações, igrejas locais, agências de serviço e organizações missionárias e busca desafiá-las, através de seus pastores e líderes a trabalharem juntos no cumprimento da Grande Comissão. O alvo final de uma visão de evangelização e transformação da cidade sempre será a manifestação da glória de Deus (Hab.2:14) na nação, através da plantação de igrejas que visivelmente encarnem a pessoa de Cristo e os valores do Reino de Deus.